Cozinhar com ervas aromáticas

4

Cozinhar com ervas aromáticas

Cozinhar com ervas aromáticas dá um toque especial

As ervas aromáticas dão o toque especial à boa cozinha. Usadas com imaginação, as ervas podem melhorar o sabor e o aspecto dos alimentos, convertendo um prato simples em algo especial.

Não devemos ter medo de usar as ervas por não saber “o que combina com o que”, porque, embora haja certas combinações de sabores que são clássicas (a manjericão com o tomate ou a hortelã com o cordeiro), de fato, as misturas de sabores são uma questão de gosto pessoal.

As ervas aromáticas não só dão sabor aos alimentos, também aportam numerosas propriedades saudáveis.

Embora no ocidente haja uma tendência de considerar as ervas como meros condimentos, recursos para dar sabor, na cultura oriental elas são consideradas autênticos medicinais há séculos.

Seus ingredientes ativos, concretamente seus óleos essenciais e fitoquímicos são os responsáveis por esse poder curativo.

Veja como comprar e armazenar ervas e temperos
Não há nada comparável ao sabor das ervas frescas. Se for possível cultivar alguma, mesmo que seja em um vaso na janela da cozinha, o esforço terá sua saborosa recompensa.

Mas se for necessário comprar ervas frescas na loja é preciso comprovar que elas não estão murchas nem ressecadas.

As ervas começam a perder seu frescor e fragrância no momento em que são colhidas. Para conservá-las por bastante tempo, é preciso guardá-las na geladeira, sem tirá-las do pacote.

Isso dá um resultado muito melhor do que deixá-las na janela em um frasco com água.

A maior parte das ervas suporta bem a congelamento, sobretudo as que não secam bem como o endro e a semente de cebola.

São congeladas inteiras, envolvendo-as em papel de alumínio ou em bolsas de congelamento.

Não é necessário descongelá-las quando são utilizadas, porque desta maneira podemos esmiuçar com os dedos, facilitando assim o trabalho de ter de picá-las.

Se comprarmos ervas secas, é preciso ver se não são muito velhas. As ervas devem emitir uma fragrância suave e agradável quando se abre uma vasilha, sem nenhum indício de umidade.

Não se devem guardar mais de um ano nenhuma erva. Passado esse tempo, elas deixam de ter efeito e sabor, por isso é aconselhável comprá-las em pequenas quantidades.

Para conservá-las em ótimas condições é preciso colocá-las em frascos opacos, que estejam hermeticamente fechados, que sejam pequenos para que não fique quase nada de ar dentro e guardá-los em um móvel fechado.

Em quase todas as receitas, podem ser usadas ervas secas ou frescas, mas guardando uma proporção.

Tipos e usos das ervas

Erva Uso na cozinha Benefícios para a saúde
Coentro As folhas são de sabor muito suave, parecido ao da salsinha e servem para adornar pratos com curry e comidas orientais, para misturar com queijos suaves ou para aromatizar pratos de carne moída. Recomenda-se mascar as folhas ou as sementes para alívio da indigestão.
Endro Tem um sabor adocicado. As folhas têm forma de plumas ou pêlos e são utilizadas em saladas, com hortaliças especialmente com pepino e em molhos brancos para peixe. É um excelente complemento dos tomates e ervilhas. Alivia gases intestinais. Na Europa, é comum dar chá de endro bem fraco a bebês com cólica.
Estragão Tem um leve sabor de anis e é o componente fundamental do molho bearnês. Vai muito bem com saladas verdes, ovos ao forno e omeletes. As folhas de estragão são indicadas para cólicas menstruais. È, também, muito digestivo.
Hortelã Picada complementa as saladas, em ramo vai bem com chá e com sopas. Também serve para cozinhar ervilhas e batatas. É ideal com o cordeiro. O chá de hortelã auxilia a digestão. Quando mascadas, as folhas refrescam o hálito.
Louro Tem um sabor aromático e agradável. Forma sempre parte do clássico ramalhete de ervas. Uma folha de louro aperfeiçoa os guisados e molho. Também serve para aromatizar cremes, sopas, legumes, arroz e pratos com batatas. As folhas de louro podem ser utilizadas em chás proporcionando alívio contra gases.
Manjericão Há dois tipos, o forte e o doce, que se considera o melhor dos dois. Vai especialmente bem com tomates, berinjelas, pimentões e abóbora. Também é deliciosa com pratos de massa e com peixes. Quando utilizado em grandes quantidades, funciona como fortificante e anti-gripal. Acredita-se que o óleo dessa planta sirva como repelente contra insetos.
Manjerona Tem um sabor adocicado, como a especiarias. Vai muito bem com os peixes gordurosos como o salmão, nos pratos de carne, pizzas, massas, omeletes, tortas salgadas, aves… Digestivo, expectorante, hidratante de pele, revigorante do cabelo.
Menta Existem numerosas variedades. Em geral, se utiliza com carnes, hortaliças, prato doce, saladas, molhos, sopas, etc. É digestiva e tônica. Pode aliviar crises de bronquite, cólica estomacal e intestinal, dor, gripes e tosses.
Orégano É uma variedade silvestre da manjerona e tem o mesmo sabor, mas mais forte. Dá caráter mediterrâneo aos pratos de massa e arroz. Se for salpicado sobre o porco ou o peixe antes de assá-lo na grelha, deve ser usado seco. As folhas frescas e picadas vão muito bem com saladas de tomate e de repolho cru. As folhas de orégano são consideradas digestivas e descongestionantes.
Romeira
É uma erva de sabor penetrante que lembra o pinheiro. Vai muito bem com os guisados e as sopas de cordeiro e de frango. Também pode ser utilizado em pratos de massa, saladas de tomate, couve-flor e feijão. Tem ações adstringentes, antiinflamatório, anti-séptico, diurético e tônico
Salsinha
Por sua cor e sabor refrescante, a salsinha é uma erva muito valiosa, além de ser a que contém mais vitaminas. A maior parte do sabor está no talo, não na folha. Podemos utilizá-la com tudo: carnes, saladas, ovos, pastas, peixes, guisados, entre outros. Quando consumida em porções de pelo menos 30g, contém uma boa quantidade de vitamina C (no caso da salsa fresca), cálcio, ferro e potássio. É também rica em substâncias anti-cancerígenas.
Sálvia Aromática, é uma das ervas mais fortes. Contra-balança certos pratos, por isso vai bem com porco, pato, ganso, peixes e produtos lácteos. Também é utilizada para aromatizar os legumes. O chá é usado como digestivo e como líquido para bochechos e gargarejos, agindo contra gengivites, aftas e inflamações da garganta.
Tomilho
Uma das ervas favoritas da tradicional cozinha italiana. Quente e penetrante, faz parte do ramalhete clássico junto ao louro e à salsinha. É ideal para preparar pratos de carne, especialmente de caça, recheados, guisados à caçarola e molhos de queijo. É utilizado em chás para aliviar distúrbios intestinais, em gargarejos, contra inflamações de garganta, e em xaropes, para tratamento de tosses e congestões respiratórias.